O dom de esmorecer.

 

E eles ainda estavam lá. Juntos, não como ela desejara, mas estavam. Se viam aos fim de semanas, ou por acaso naquela cidade quente onde habitavam, se falavam, trocavam idéias, e sempre com aquele desejo de cuidar um do outro. Não sei se por destino, mas o deles não queriam se cruzar. É como se os laços tivessem que se separar desde quando se conheceram, mas eles insistiam, insistiam naqueles encontros onde talvez os batimentos só era visível em um de ambos. Era uma situação complicada, era dúvida, era desejo, era carinho.. Mas não era amor. Então o que era, meu Deus? Era um desejo interminável de saber onde estavas, e com quem estavas. Era uma vontade fora do comum de só sentir sua presença. Ele transmitia calor quando chegava, onde as pedras de gelo que ocupavam o lugar do seu coração se derretiam apenas por tê-lo ali, sim. Não o precisava, a ela não era permitido nenhuma gota de romance, ela só aceitaria se fosse amor. Amor? Acho que ela está pedindo um pouco demais. Não era amor, era a sua vontade louca de amar que estava bagunçando tudo, se não bastara seu quarto, sua vida também estava uma bagunça.. Então esmorece, arruma, limpa que volta tudo ao seu lugar.

Autora: Kamylla Bortoluzzi

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s